Pós-Coronavírus: Ferramenta PESTEL de inteligência competitiva e seus aspectos de provisão empresarial

Nem um ser humano, por mais pessimista que fosse, poderia imaginar em seu réveillon de 2019 que no primeiro trimestre de 2020 o mundo iria parar, que o dólar iria custar mais de R$ 5,00 e que o Ibovespa iria perder quase metade de seus pontos. O nome disso são Fatores Exógenos Velados.

A ferramenta PESTEL é muito utilizada nos departamentos de Inteligência Competitiva de grandes organizações. Está técnica nos apresenta de uma forma clara e simples, como todas as empresas estão inseridas em um universo macro. Agora, mais do que nunca, se faz necessário monitorar o máximo de indicadores (KITs), que são relevantes e circunstanciais ao seu negócio.

Apresentarei a importância de 4 áreas do PESTEL para o empresariado estruturar sua gestão nos próximos meses.

1 – Área Política e Legislação

Os governos federais e estaduais estão cientes da importância de criarem políticas públicas que neutralizem ao máximo os impactos econômicos da quarentena nas empresas. Monitore os sites do governo federal, governo estadual, ministério da fazenda, os diários oficiais das câmaras e outras mídias que publicam matérias políticas e econômicas. Algumas medidas podem estar sendo tomadas para auxiliar o seu segmento de mercado.

2 – Área Sócio Cultural

Os hábitos sociais e de consumo mudaram drasticamente no último mês. “Nada do que foi será, de novo do jeito que já foi um dia”. Adaptabilidade será a palavra da próxima década. Você está preparado para mudar os seus hábitos empresariais?

O psicólogo Jeremy Dean, uma das maiores autoridades mundiais e autor de vários livros que abordam os porquês da mudança de hábito, apresenta que bastariam 21 dias de uma atividade repetitiva para que ela se torne um novo hábito. A quanto tempo já estamos em quarentena? Será que nosso novo modelo de consumo já se tornou um hábito?

As empresas que possuem seu modelo de negócio desenhado, sabem da importância dos canais de distribuição e relacionamento com o cliente. Seus leads e clientes vão consumir ainda mais conteúdo digital? Eles vão optar cada vez mais pelo e-commerce? Hoje, tudo é Delivery! Esse hábito permanecerá? Chegou a hora dos gestores enxergarem essa realidade em seus novos modelos de negócio para os próximos anos.

3 – Grupos Estratégicos

Mais conhecidos no mundo corporativo com Stakeholders, as empresas precisam entender a importância de monitorar alguns agentes que estão diretamente relacionados com sua empresa. Governo, sindicatos, clientes (vimos no tópico anterior), comunidade, funcionários, fornecedores, órgãos reguladores, imprensa, entidades de classe, concorrentes, organizações do terceiro setor e influenciadores do seu público.

Todos esses agentes impactam circunstancialmente as organizações. O quanto você está sendo criterioso e inovador nas negociações com seus fornecedores? Está analisando novas condições de fornecimento no conceito Win-Win da Harvard Law School?

É sabido que no atual cenário de pandemia e recessão, que a inadimplência aumentará (fato). Muitas empresas que trabalhavam com boleto, agora só estão liberando pedidos com pagamento em dinheiro, débito ou crédito. Essa é uma forma de gerar um plano de ação para solucionar uma problemática que surge do cliente, que impacta diretamente o fluxo de caixa e o capital de giro.

Sua empresa está monitorando e gerando plano de ação para problemáticas que podem surgir dos colaboradores? Ou da macroeconomia?

Empresas do primeiro setor também só estão aceitando pagamentos à vista. Muitas só liberam mercadorias com pagamento antecipado. E se você realizar um pagamento antecipado e o seu fornecedor não receber a matéria prima? Se ele não conseguir consolidar a carga e o prazo de entrega for prorrogado? Ou pior, e se ele fechar as portas?

Esse monitoramento mais intenso diminui o risco de possíveis imprevistos que desencadeiam um efeito em cascata avassalador nos negócios.

4 – Aspectos Tecnológicos

Estamos vivenciando a quarta revolução industrial. Klaus Schwab, fundador do Fórum Econômico Mundial, apresenta em seu livro “A quarta revolução industrial”, que uma das megatendências dessa revolução são as características digitais. As empresas precisam utilizar tecnologias que são implantáveis em seus modelos de negócios. Estar conectado com o mundo das startups poderá tornar sua empresa mais pujantes nesta nova era. Os clientes estão com acesso mais fácil a informação e conectados com tendências tecnológicas, como a manufatura aditiva e Internet of Things (IoT). Sua empresa está conectada com essa realidade?

Para os que ainda não conhecem, segue abaixo a ferramenta PESTEL de Gestão Estratégica Empresarial:

Ferramenta PESTEL de Inteligência Competitiva

Garanto-lhes que está com os dias contados o gestor que faz mais do mesmo.

Como diria Albert Einstein “O acaso não existe.”. Você vai jogar dados com sua empresa? Chegou a hora de aprender a reaprender!

Com os votos de Fé, Esperança e Planejamento,

Jefferson Henrique

Jefferson Henrique
CEO na JH Consultoria
março 19, 2022